Artista do Mês de Novembro: Florival Santos

Nascimento: 16 de outubro de 1907, Propriá/SE

Falecimento: 26 de setembro de 1999, Aracaju/SE

Autodidata, ainda criança já revelava aptidão artística. Em 1927, com 20 anos, muda-se para Aracaju em busca de melhores condições, e, dois anos mais tarde, morou no Rio de Janeiro para seguir carreira militar.

Florival, assim como o irmão mais novo, o artista Álvaro Santos, nasceu às margens do Rio São Francisco, o que o levou, na juventude, a ser um exímio nadador.

Em grande parte de suas obras encontramos remanescências das memórias do “velho chico” com as suas canoas de proa com velas coloridas, os plantadores de arroz, os pescadores puxando redes de arrasto, os catadores de conchas, de siris e de massunins.

Em sua diversificada iconografia, retratou com muita precisão a fome dos retirantes, a dor dos flagelados e a miséria dos ribeirinhos que moram nas palafitas. Mesmo em um cenário de extrema pobreza, a sua obra se apresenta rica graças ao seu talento e a sua apurada técnica.

Sua obra “Retirantes” pertence ao acervo do Vaticano (Itália). Além desta, possui trabalhos em diversas instituições públicas, como o Museu de Histórico de Sergipe, na cidade São Cristóvão, o Instituto Histórico e Geográfico de Sergipe, o Instituto Dom Luciano Duarte, Tribunal de Justiça do Estado de Sergipe, Prefeitura Municipal de Aracaju, além de outros órgãos do Estado.

Pintou a tímida Aracaju da década de trinta, a antiga ponte da Atalaia, a praia Formosa, a rua da Frente, Carro Quebrado. Como acadêmico, imortalizou a sua obra retratando políticos e autoridades sergipanas, cujo acervo encontra-se no Instituto Histórico e Geográfico de Sergipe, e, em uma linguagem mais modernista, fez marinhas inspiradas em Propriá e a série Xangô, fases que merecem destaque em sua iconografia.

A sua casa, onde também exercia o seu ofício, era ponto de encontro dos amantes das artes, bem como dos consagrados artistas com os jovens aspirantes. Costumava trocar correspondências com Jordão de Oliveira e recebia Jenner Augusto sempre que ele seguia para Aracaju.

Realizou diversas exposições, ocorrendo a primeira individual em 1933, na Associação Comercial de Sergipe. Na década de 60, expôs individualmente no Rio de Janeiro, em São Paulo, em Salvador e em Brasília. De forma unânime, ganhou o concurso para a escolha do brasão de Aracaju, em 1955, por ocasião do centenário da cidade. Em 1966, assumiu o primeiro mandato de Diretor da Galeria de Arte Álvaro Santos, em Aracaju/SE.

Pelo conjunto de sua obra, recebeu diversas homenagens, a exemplo da “Medalha de Honra ao Mérito Inácio Joaquim Barbosa”, da Prefeitura de Aracaju. A Universidade Federal de Sergipe também o laureou dando o seu nome à galeria de arte do Centro de Cultura e Arte – Cultarte.