04d3eb7ecfefda33375feaa2702522a5
A Galeria de Arte J. Inácio receberá, a partir da próxima segunda-feira, 23 de abril, a instigante exposição “Pelas Águas”, do artista visual, Mozart Daltro. A mostra, contemplada no Edital de Ocupação da Galeria, contará com 17 fotografias do Rio São Francisco, enfocando sua nascente e os percursos pelos Estados de Minas Gerais, Sergipe e Alagoas.
A exposição propõe levar o público por três vias: a investigação, a memória e a interação, através de imagens que não buscaram captar apenas o instante, mas que instalam e questionam deliberadamente o tempo. A sequência das fotos não é apenas um jogo de formas e materiais, é a visão do artista do mundo, que transforma uma hidrelétrica desativada em um local onírico que também questiona, graças a sua força e a sua universalidade.
Durante a mostra, serão apresentadas cinco séries fotográficas. Na primeira, constarão quatro imagens da nascente do São Francisco, uma do ponto mais alto, localizando a estátua do “Chico”, a outra da Casca D’Anta, acompanhada pelas primeira e segunda quedas d’agua. Na segunda série serão apresentadas cinco imagens das circunvizinhanças da cidade de Piranhas, suas correntezas, a pesca, as cachoeiras e o ponto mais alto onde foi construída uma igreja.
Na terceira, série de imagens o artista observa os Cânions e a antiga hidrelétrica de Delmiro Gouveia, atualmente desativada. Na quarta série de imagens da exposição chega-se a Canindé de São Francisco por caminhos ribeirinhos que emblematicamente nos impressiona por sua força imagética provocando questionamentos sobre a preservação do rio e a sua importância para o Brasil.
Por fim, a quinta série das imagens da exposição ‘Pelas Águas’, são imagens noturnas que evocam memórias e permite uma interpretação criadora do receptor e, portanto, do observador das obras apresentadas, reafirmando a ideia de que a arte é triangular. “Nosso objetivo é despertar o olhar do público para a magnitude do rio e a importância da sua preservação”, aponta Mozart Daltro.
Foto: Mozart Daltro

grande-188270

A biblioteca Clodomir Silva, unidade administrada pela Fundação Cultural Cidade de Aracaju (Funcaju), apresenta a exposição ‘Monteiro Lobato – Vida e Obra’. A mostra pode ser visitada de segunda a sexta-feira, das 8h às 17h, e aos sábados, das 8h às 12h. A entrada é gratuita.

“Abril é o mês que traz referência ao livro, à literatura e à leitura, e nele comemoramos diversas datas importantes que marcam o livro. Temos o dia 2 de abril, o Dia Mundial do Livro Infantil. No dia 18, comemoramos o Dia Nacional do Livro Infantil, data que marca o nascimento do pai da literatura infantil brasileira, Monteiro Lobato, nosso homenageado. Para encerrar o ciclo, dia 23 é marcado também pelos três dos maiores escritores William Shakespeare, Miguel de Cervantes e Vladimir Nabokov”, ressalta a coordenadora da biblioteca Municipal Clodomir Silva, Fabiana Bispo.

Emília, Narizinho, Pedrinho e todos os personagens do Sítio do Pica-Pau Amarelo estão no hall da biblioteca para contar um pouco mais sobre o responsável da literatura infantil, Monteiro Lobato. “Nossa exposição reúne as principais obras do autor, além de contar um pouco sua vida. Afinal, a biblioteca tem o objetivo de interagir com os visitantes e fazer com que a gente deixe viva na memória da geração mais recente a sua relevância para a literatura brasileira. É uma oportunidade também para os adultos relembrarem os personagens que marcaram época’, explica Fabiana.

De acordo com a coordenadora, o visitante vai encontrar curiosidades sobre o escritor Monteiro Lobato e suas principais obras, além de uma coleção completa do autor, que compõe o acervo da biblioteca. “A exposição contará com gibis, publicações antigas e a biografia de Monteiro Lobato.”, informa Fabiana Bispo.

A biblioteca Clodomir Silva fica localizada na rua Santa Catarina, nº 314, no bairro Siqueira Campos, e está aberta para receber as escolas. A unidade vinculada à Funcaju conta com mais de 20 mil livros, gibiteca e cordelteca.  Para visitar a exposição e participar dos projetos promovidos pela biblioteca é necessário fazer um agendamento através do telefone (79) 3179-3742.

fonte: PMA

5a32770d3f91b138a797966d565d2427
A Orquestra Sinfônica de Sergipe (Orsse) abriu sua temporada de concertos 2018 na noite da última quinta-feira, 08, com um repertório especial. Sob a regência do maestro Guilherme Mannis, o concerto realizado no Teatro Tobias Barreto levou ao público um repertório com obras dos compositores Franz Joseph Haydn, Mozart Camargo Guarnieri e do icônico, Ludwig van Beethoven. A apresentação marcou o início da tradicional “Série Cajueiros”, que traz ao público sergipano consagradas obras do repertório sinfônico tradicional e contemporâneo.
“O repertório desta noite trouxe, na primeira parte, uma ópera de Haydn, e o concerto para cordas de Guarnieri, que ele compôs por encomenda da Orquestra de Pernambuco, com muitos temas brasileiros, inclusive o maracatu. Na segunda parte, tivemos famosa Sinfonia nº6 em Fá maior, Pastoral, de Beethoven”, explicou o maestro.
Sobre a temporada 2018, Guilherme Mannis, falou que as expectativas são as melhores. “Elaboramos uma temporada muito variada e eclética, que tem sido a nossa marca, em que teremos concertos dedicados à música russa, ao barroco italiano, a temas de filmes, além de um concerto especial pelos 60 anos da bossa Nova”, adiantou o regente.
Para o secretário de Estado da Cultura, João Augusto Gama, que esteve presente na abertura da temporada, este será um mais um ano de grandes realizações para o grupo. “Sabemos do valor da nossa Orquestra Sinfônica e temos trabalho para mantê-la cada vez mais ativa e realizando grandes espetáculos como o de hoje para o povo sergipano”, destacou.
Público fiel
O público, espetáculo a parte e sempre fiel aos concertos da Sinfônica, elogiou a Orquestra pelo trabalho que vem desenvolvendo nas últimas temporadas. “Gosto de vir aos concertos pois sei que aqui irei encontrar música boa, que aguçam meus sentidos e percepções. A música clássica, seja ocidental, indiana ou africana, não só trabalha nossos sentidos, como também trazem outros conhecimentos sobre o mundo. Porque a musica não é só arte, ela também é um meio de ampliar nossos horizontes”, ressaltou a fotógrafa, Luzia Obelar.
A técnica de enfermagem e filósofa, Susana dos Santos, afirma que sempre gostou de assistir aos concertos da Orsse, e que frequenta há muitos anos. “Acho que cada vez mais pessoas se interessam pela música orquestrada, mas ainda assim, há pouco espaço nas mídias para este estilo musical. A música clássica não chega à população, como outros estilos mais comerciais, o que acaba sendo uma pena”, opinou Susana.
O próximo concerto da Orsse está marcado para o dia 12 de abril, no Teatro Atheneu, que trará como tema “Uma noite em Veneza”. A Orsse é uma realização do Governo de Sergipe, através da Secretaria de Estado da Cultura (Secult).

grande-184436

Ao longo de todo ano de 2017 a Secretaria de Estado da Cultura (Secult) buscou criar ações de valorização para a Orquestra Sinfônica de Sergipe (ORSSE) e neste trabalho, destaca-se a renovação dos instrumentos do grupo, que será efetivada no próximo ano através da chegada de R$ 448.219,00 em recursos, oriundos de uma emenda parlamentar do deputado federal Jony Marcos, viabilizados através da Fundação Nacional das Artes (FUNARTE). O recurso já encontra-se disponível na conta do convênio, aguardando levantamento dos orçamentos para que seja dado início ao pregão eletrônico na Seplag.

De acordo com o secretário da Cultura, João Augusto Gama, este ano foram empenhados esforços para garantir a manutenção da Orquestra Sinfônica de Sergipe, um produto cultural que é patrimônio do sergipano. “Sabemos do peso que a marca da ORSSE tem não só em Sergipe, como em todo o país. O diálogo sobre as demandas do grupo sempre esteve ativo, e isso resultou em ações concretas de melhorias para o grupo. Isso demonstra a nossa preocupação com a preservação desse bem cultural que é a Sinfônica sergipana”, explicou Gama.

Para o Maestro Guilherme Mannis, com este investimento que chegará em 2018, a ORSSE terá um incremento em sua qualidade sonora. “Com os novos instrumentos que serão adquiridos teremos uma melhor qualidade de trabalho para muitos de nossos músicos. Além disso, alguns itens de palco serão contemplados, como praticáveis e uma nova iluminação, melhorando inclusive o aspecto visual dos concertos”, explicou.

A violinista e spalla Susan Rabelo, também comemora a aquisição dos novos equipamentos e diz que a renovação chegará em uma boa hora.  “Precisamos ter nossos instrumentos sempre em manutenção, com qualidade sonora, e isto demanda um custo muito alto, pois não temos luthier para ajustar as pendências necessárias. A qualidade do som do instrumento influi em qualidade musical. Falo, especificamente sobre meu naipe de cordas, por conhecimento de causa, os encordoamentos profissionais são caríssimos. Portanto, este investimento será um incentivo ímpar para nós, músicos da orquestra, e resultará no aprimoramento da nossa qualidade musical”, salientou.

Outras melhorias

Outras ações em benefício da orquestra foram realizadas no decorrer do ano, como a instalação de um novo ar condicionado e outras adequações na sala de ensaios do grupo, localizada no Teatro Tobias Barreto (TTB), que será totalmente reformado em 2018 com recursos da empresa CELSE. “Em condições de trabalho adequadas, tudo tende a melhorar. Especificamente para a orquestra, é essencial o funcionamento do aparelho de ar condicionado, uma das melhorias apresentadas em 2017, assim como a aquisição de cadeiras mais confortáveis. A expectativa para o próximo ano é que a sala mantenha essas conquistas e que possa ficar ainda melhor”, pontuou o chefe de naipe das flautas, Silvio Jackel Neto.

Concertos mais acessíveis

A diminuição no valor dos ingressos dos concertos foi outra ação bastante comemorada pelo público e pelos músicos. “A redução dos ingressos é importantíssima, uma vez que populariza o acesso à produção do grupo. O incremento de público, inclusive, já foi constatado nos últimos concertos”, acrescenta Mannis.

O Maestro destaca ainda que a reforma do Teatro Tobias Barreto, é fundamental para a consolidação da orquestra, uma vez que trará mais conforto e segurança tanto os profissionais como para a sociedade como um todo. “Ir a um Teatro é sempre um momento de cultura e lazer muito especial; se ele é moderno, bem equipado, com uma excelente programação e bom atendimento ao público, proporcionará cada vez mais momentos inesquecíveis aos que lá estiverem”, finalizou o maestro.

Fonte: Secretaria de Estado da Cultura